Dia de Portugal/2019 - 16 de Junho - Domingo


Dia de Portugal em Santos terá festa no Centro Histórico

 Vai ter muita música, danças típicas, exposições, venda de artesanato e a tradicional gastronomia portuguesa na 10ª edição do Dia de Portugal, que acontece domingo (16), das 9h30 às 18h, no Largo Marquês de Monte Alegre, Centro Histórico.
Foto: Isabela Carrari/PMS

A maior festa da comunidade lusitana na Cidade tem início com a celebração de missa no Santuário Santo Antônio do Valongo, seguida do ato cívico.

Às 11h30, começam as apresentações musicais – a novidade desta edição será o Rancho Folclórico Infantil da Escola Portuguesa, primeiro a subir ao palco.

Programação do Dia de Portugal em Santos

A programação ainda contará com show de 13 grupos:
Filhos da Tradição, ranchos folclóricos Casa de Portugal de Praia Grande, Veteranos Apaixonados pelo Folclore, Verde Gaio, Fado por Acaso, Típico Madeirense, Tricanas de Coimbra, Vira Livre, Vasco da Gama, Portuguesa Santista e Cruz de Malta, Andreza Mariano e Banda, além da cantora de fado Ana Carla Lemos.

Durante a festa, os visitantes poderão conhecer o trabalho das bordadeiras do Morro São Bento e saborear pastéis de Belém e bolinhos de bacalhau. A venda dos tradicionais pratos será revertida à Escola Portuguesa. O Dia de Portugal é uma realização da Escola Portuguesa, com apoio da Prefeitura, Conselho das Comunidades Portuguesas e Consulado Geral de Portugal.

 (fonte: Jornal da Orla - 10/06/2019)

Festa de Santo Antonio/2019


Programação Musical 2019 

01/06 – Sábado: Daniel Prates

02/06 – Domingo: Rancho Folclórico Madeirense

06/06 – Quinta-feira: Cláudia França

07/06 – Sexta-feira: 2+1 Shows

08/06 – Sábado: Didi Gomes

09/06 – Domingo: Velha Guarda da X-9

10/06 – Segunda-feira: Cauby Shows 

11/06 – Terça-feira: a programar

12/06 – Quarta-feira: Sena Sopra Metais

13/06 – Quinta-feira: Banda Rara

Dia das mães - 12/05/2019

____________________________________________________________

Dia de celebrar a cultura do amor

Frei Vitório Mazzuco, OFM

Cada ano a vida repete a mesma celebração. Celebrar é tornar presente, de um modo repetitivo, uma verdade, uma mensagem, uma data, uma vida, até que um dia tudo nos preencha do mais belo sentido. Mas o Dia das Mães não é uma simples celebração, é uma ampliação de todos os sentidos da vida. As mães que estão vivas ganham tímidas palavras, beijos e abraços. As mães falecidas ressuscitam nas memórias e nas preces.

Cada ano flores, almoço, festa, presentes e telefonemas reacendem o sentimento de eterno pertencimento. Nós somos o que é esta mulher que nos ensinou a ser além de nós; que nos ensinou a ser família e fazer parte do sonho de alguém.  A mãe nos ensinou a existir e é impossível conceber a existência sem ela. Ela está presente assim como Deus é onipresente.

O Dia das Mães é um dia feito para lembrar quem ajudou a organizar a nossa vida, que cuidou para que tivéssemos o melhor, quem nos olhou com um olhar amoroso sem nenhum ranço de condenação. Mãe foi e é uma entrega constante, uma entrega absoluta em cada tarefa, uma renúncia de si para que possamos ser. Mãe é determinação; ela está sempre determinada em ajudar filhos a encontrarem o rumo na vida.

Mãe é o ministério da educação mais verdadeiro, que nunca se fragmenta ou experimenta a decadência, porque ela é um processo de valores para cada dia da vida. O bem-estar, a beleza, a limpeza, a harmonia, são valores caseiros que se instauram num determinado lugar e ganham espaços do mundo. Mãe ensina a arrumar quarto, lavar pratos, limpar banheiro, guardar as roupas jogadas. Quem aprendeu isto no limite da casa, vai levar para a vida. Quem não quis aprender vai saber o que é a falta de garra para enfrentar os desafios da vida.

Mãe não teve como nós, a conquista acadêmica de tantas faculdades, mas é pós-graduada em sensibilidade. Mãe não faz pregação nem curas miraculosas, mas diz que Deus está nas preces mais simples do zeloso guardador, que guarda, governa, ilumina, amém! Mãe é razão e vivência; mãe é afeto, uma usina de energia vital de amor que não se esgota. Mãe é uma farmácia aberta vinte e quatro horas nos dando remédios de emoção e bênção, para que a gente não perca a capacidade de sentir-se amado no caminho onde estivermos rumo a nossa realização, que é a felicidade que ela sonhou para nós.

Por isso, parabéns a todas as Mães em seu dia! Que dia é este? Dia de celebrar o manancial da existência, a cultura do amor, o sentido da vida, e o jeito terno e materno de Deus encarnado no colo desta mulher.

Feliz Dia das Mães!

(fonte: www.franciscanos.org.br)

São José Operário e o Dia do Trabalhador - 01/05/2019


São José Operário

Pio XII, instituindo, em 1955, a festa de São José Operário quis oferecer ao trabalhador cristão um modelo e protetor. “Todo trabalho possui dignidade inalienável e, ao mesmo tempo, ligação íntima com a pessoa em seu aperfeiçoamento: nobre dignidade e prerrogativa, que não são de modo algum aviltadas pela fadiga e pelo peso que devem ser suportados como efeito do pecado original em obediência e submissão à vontade de Deus”, disse Pio XII.

Foi no dia 1º de maio de 1886, em Chicago, maior parque industrial dos Estados Unidos na época, que os operários de uma fábrica se revoltaram com a situação desumana a que eram submetidos e pelo total desrespeito à pessoa que os patrões demonstravam. Eram trezentos e quarenta em greve e a polícia, a serviço dos poderosos, massacrou-os sem piedade. Mais de cinquenta ficaram gravemente feridos e seis deles foram assassinados num confronto desigual. Em homenagem a eles é que se consagrou este dia.

São José é o modelo ideal do operário. Sustentou sua família durante toda a vida com o trabalho de suas próprias mãos, cumpriu sempre seus deveres para com a comunidade, ensinou ao Filho de Deus a profissão de carpinteiro e, dessa maneira suada e laboriosa, permitiu que as profecias se cumprissem e seu povo fosse salvo, assim como toda a humanidade.

Proclamando São José protetor dos trabalhadores, a Igreja quis demonstrar que está ao lado deles, os mais oprimidos, dando-lhes como patrono o mais exemplar dos seres humanos, aquele que aceitou ser o pai adotivo de Deus feito homem, mesmo sabendo o que poderia acontecer à sua família. José lutou pelos direitos da vida do ser humano e, agora, coloca-se ombro a ombro na luta pelos direitos humanos dos trabalhadores do mundo, por meio dos membros da Igreja que aumentam as fileiras dos que defendem os operários e seu direito a uma vida digna.

Muito acertada mais esta celebração ao homem “justo” do Evangelho, que tradicional e particularmente também é festejado no dia 19 de março, onde sua história pessoal é relatada.

(fonte: franciscanos.org.br)