Semana Santa/2014


2 assuntos muito importantes:

1) PROGRAMAÇÃO DA SEMANA SANTA/2014, NO VALONGO CLIQUE AQUI

2) Reflexão especial sobre a Semana Santa e o Tríduo Pascal, do site dos Franciscanos (www.franciscanos.org.br)
Clique na imagem para acessar


http://www.franciscanos.org.br/?page_id=55798


Celebrando a Semana Santa/2014 no Valongo



Programação Semana Santa/2014
Santuário Santo Antonio do Valongo - Santos

11/04 - Sexta Feira - 19h30
Via Sacra - Campanha da Fraternidade 2014 Encenada
Concentração - Escadarias do Monte Serrat, com todas as paróquias da região Centro. Todos deverão levar velas
 

========
 

13/04 - DOMINGO DE RAMOS - "Saudemos com Hosanas o Filho de Davi"

 - 7h30: Benção dos Ramos na Praça Mauá. Segue a procissão com missa no Santuário (trazer plantas medicinais para benção).

- 11h30: Missa no Mosteiro de São Bento, com benção dos ramos.

- 19h00: Benção dos Ramos em frente à Estação do Valongo, seguida de Missa no Santuário
 

========

 14/04 - Segunda Feira - 19h30
- Confissões na Catedral


========

 15/04 - Terça Feira - "É para a liberdade que Cristo nos libertou" (Gl 5,1)
- Missas às 12h00 - 15h00 - 19h00, com benção dos pãezinhos de Santo Antonio.

- Confissões individuais: das 9h00 às 11h00

(Celebração Penitencial, nas missas das 15h00 e 19h00)
 

========

 16/04 - Quarta Feira

- 19h00: Via Sacra nas ruas do Morro São Bentro

- 19h30: Missa de Louvro - Santuário Santo Antonio do Valongo
 

========

 17/04 - Quinta Feira Santa

- 9h00: Missa com Benção dos Santos Óleos - Catedral

- 19h30: Solene Celebração da Eucaristia com o "Lava-pés"

(após a Celebração, haverá adoração ao Santíssimo, na Capela da OFS)
 

========

 - 18/04 - Sexta Feira Santa - Paixão do Senhor
"Paixão de Cristo, Paixão HUmana"

- 15h00: Celebração da Paixão do Senhor, após haverá procissão nos arredores do Santuário.

- 19h00: Procissão com a comunidade da Catedral. Procissão do Senhor Morto, Encontro com Nossa Senhora das Dores (levar velas).
 

========

 - 19/04 - Sábado Santo
"Quando o Dia da Paz Renascer"

- 19h30: Solene Celebração da Vigília Pascal. Deus nos abre, hoje, as portas da vida, da Sua Vida.


========

 - 20/04 - DOMINGO DA PÁSCOA
"Ressurreição - Vida Nova para todos"

- 5h00 (cinco horas da manhã): Via Sacra da Ressurreição - Matriz de Nossa Senhora da Assunção.

- Missas às 8h00 às 19h00
"Aquele que morreu, ressuscitou. Celebremos alegremente a vida. É Domingo de Páscoa". Traga flores, nas celebrações, em sinal de ternura, carinho e amor.

"Senhor, dá-me dessa água..." - João 4,5-42 - 23/03/2014

Jesus tornou-se o dom de Deus na vida da mulher que ele encontrou junto ao poço de Siquém. A descoberta do dom divino deu-se de maneira gradativa. A reação inicial da mulher foi de rejeição, fruto de preconceitos. Ela não podia compreender como um judeu tivesse a ousadia de dirigir-se a uma samaritana, dado a inimizade histórica entre estes dois grupos.

O comentário de Jesus, diante desta negativa, despertou nela certo interesse. A alusão à possibilidade de obter "água viva" suscitou um mal-entendido: a mulher entreviu a possibilidade de ver-se livre da obrigação de buscar água, naquele poço tão profundo. Assim, quando Jesus falou de uma água que jorra para a vida eterna, ela manifestou o desejo de obtê-la. 
Para isso, o Mestre colocou como condição que trouxesse consigo seu marido. Foi quando Jesus começou a penetrar na vida pessoal da samaritana, mostrando conhecê-la muito mais do que ela pensava. 

O Mestre manifestou seu interesse por aquela mulher desconhecida. A partir daí ela começou a se abrir para a fé. O tema da água foi substituído pela questão da adoração a Deus. De modo pedagógico e delicado, Jesus conduziu-a nos meandros da fé, a ponto de fazê-la compreender que tinha diante de si o Messias longamente esperado.

Assim que ela acolheu o dom de Deus na pessoa de Jesus, tornou-se proclamadora de sua presença como Messias salvador. E muitos acreditaram, a partir do testemunho da mulher.
Pe. Jaldenir Vitório, Jesuíta

"... nem só de pão vive o homem, mas de toda a Palavra que sai da boca de Deus..." - Mt 4,1-11 - 09/03/2014


A questão essencial que a Palavra de Deus hoje nos propõe é esta: Jesus recusou, de forma absoluta, conduzir a sua vida à margem de Deus e das suas propostas. Para Ele, só uma coisa é verdadeiramente decisiva e fundamental: a comunhão com o Pai e o cumprimento obediente do seu projeto… E nós, seguidores de Jesus? É essa também a nossa perspectiva? O que é que é decisivo na minha vida: as propostas de Deus, ou os meus projetos pessoais?

• Quando o homem esquece Deus e as suas propostas, e se fecha no egoísmo e na auto-suficiência, facilmente cai na escravidão de outros deuses que, no entanto, estão longe de assegurar vida plena e felicidade duradoura. Quais são os deuses que, hoje, dominam o horizonte desse homem moderno que prescindiu de Deus? Quais são os deuses que estão no centro da minha própria vida e que condicionam as minhas decisões e opções?

• Deixar-se conduzir pela tentação dos bens materiais, do acumular mais e mais, do subordinar toda a vida à lógica do “ter mais”, é seguir o caminho de Jesus? Olhar apenas para o seu próprio conforto e comodidade, fechar-se à partilha e às necessidades dos outros, pagar salários de miséria e gastar fortunas em noitadas de jogo ou em coisas supérfluas… é seguir o exemplo de Jesus?

• Usar Deus ou os seus dons para saciar a nossa vaidade, para promover o nosso êxito pessoal, para brilhar, para dar espetáculo, para levar os outros a admirar-nos e a bater-nos palmas… é seguir o exemplo de Jesus?

• Procurar o poder a todo o custo (às vezes, entregando ao diabo os nossos valores mais importantes e as nossas convicções mais sagradas) e exercê-lo com prepotência, com intolerância, com autoritarismo (quantas vezes humilhando e magoando os pobres, os débeis, os humildes)… é seguir o exemplo de Jesus?

Padres Dehonianos - P. Joaquim Garrido, P. Manuel Barbosa, P. José Ornelas Carvalho
Província Portuguesa dos Sacerdotes do Coração de Jesus

"Seja o voso sim, SIM e o voso não, NÃO" - 16/02/2014 - Mt 5,17-37

Evangelho proclamado e, abaixo, homilia de Pe. Cesar Augusto dos Santos, SJ

 

Deus nos criou livres e depende de nós a escolha que nos fará felizes.

O que dependia do Senhor já foi feito. Ele nos criou à sua imagem e semelhança, ou seja, livres, tendo no íntimo de nosso ser buscar o bem e evitar o mal. Somos feitos pelo Sumo Bem, evidentemente, só poderemos estar voltados para a prática do bem. Contudo o Senhor, exatamente porque nos criou à sua imagem e semelhança, nos fez livres.

Como diz a leitura do Livro do Eclesiástico “Diante de ti, Ele colocou o fogo e a água; para o que quiseres, tu podes estender a mão. Diante do homem estão a vida e a morte, o bem e o mal; ele receberá aquilo que preferir”. Consequentemente, cada um de nós é sujeito de sua felicidade ou desgraça, à medida que tiver feito escolhas a favor da vida ou da morte.

Evidentemente, tendo herdado o pecado original, sabemos também que nossa natural inclinação ao bem foi atingida, de modo que, muitas vezes, como nos diz São Paulo, “não faço o bem que quero, mas o mal que não quero”.

No Evangelho vemos a proposta sobre a justiça do Reino dos Céus. Como vimos no domingo passado, somos chamados a sinalizar a aliança de sal, a perene, que não se corrompe. Essa aliança de Deus com cada um dos seres humanos é alimentada por todos nós batizados, que assumimos o projeto do Senhor.

Também faz parte de nossa opção aceitarmos essa vocação dada por Jesus, de colaborarmos com Deus na construção da nova sociedade, do Reino de Justiça.

Por fim, a Primeira Carta aos Coríntios nos fala que a perfeição está na sabedoria, mas não na sabedoria deste mundo, muito menos na de seus poderosos, pois ela está voltada para a morte, para a destruição. A Sabedoria de Deus, ao contrário, seu plano de amor em benefício dos homens, está escondida e foi destinada para nossa glória, é o projeto de Deus, sua opção pelos simples, pelos marginalizados. Os poderosos não a conheceram porque, mantendo sua opção, condenaram Jesus à morte e o crucificaram.

Contudo, “o que Deus preparou para os que o amam é algo que os olhos jamais viram nem os ouvidos ouviram nem coração algum jamais pressentiu” escreve São Paulo.

Concluindo, a liturgia deste domingo nos exorta a mantermos nossa missão, nossa vocação optando livremente pelo anúncio do projeto de Deus, de anunciar a construção de uma nova sociedade onde a sabedoria de Deus triunfará e os marginalizados deste mundo a conhecerão. Aliás, à medida em que optamos fazer a vontade de Deus, já desfrutamos no próprio ato de fazer o bem, a alegria e a felicidade que almejamos.
Pe. Cesar Augusto dos Santos, SJ