"...nem um fio de cabelo vosso será perdido..." Lc 21,18

 partir da admiração de algumas pessoas diante da beleza do Templo, Lucas apresenta uma fala de Jesus sobre a destruição do mesmo. É o chamado "discurso escatológico", narrado também por Marcos e Mateus.

O Templo de Jerusalém construído por Salomão foi destruído pela Babilônia. Depois foi reconstruído por Zorobabel, na volta do exílio.

Cerca de treze anos antes do nascimento de Jesus, herodes inicia a reforma do Templo, tornando-o mais luxuoso ainda, com grande quantidade de ornatos de ouro.

Com toda esta ostentação de riqueza e luxo, provocava no povo o sentimento de humilhação e submissão.

Através dele desfilavam multidões de populares e camponeses, tímidos e humilhados, os quais, com grandes sacrifícios, traziam suas ofertas de obrigação aos cofres do Tesouro do Templo.

Diante desta situação, Jesus denuncia que o Templo tornou-se um antro de ladrões (cf. 19 nov.). Seis anos depois que seus luxuosos acabamentos foram concluídos, no ano 70 d.C., o Templo foi destruído pelos romanos.

As obras suntuosas são usadas pelos exploradores para intimidarem e submeterem o povo humilde, porém não resistem ao tempo. "Tudo será destruído." Neste texto, vários sinais indicam a falência dos poderosos deste mundo.

Falsos profetas que prometem a felicidade a partir da conquista do poder, guerras dos poderosos e guerrilhas dos oprimidos, e também sinais da natureza ferida pelo progresso a serviço do lucro.

Por outro lado, os pobres e humildes percebem os sinais da presença de Jesus entre eles, transformando o mundo por sua palavra e sua prática amorosa.

A Relação Fé e Vida

Hoje o evangelho parece descrever cenas da vida atual: fala de violência, destruição, tragédias naturais e sociais, opressão, exploração do mais forte sobre o mais fraco, abusos de poder por parte dos que governam etc.

Tudo isso não significa o fim do mundo nem é castigo de Deus; antes, porém, é um alerta sobre o nosso comportamento violento em relação aos outros, à natureza e, principalmente. Em relação às leis de Deus.

Deste modo, diante desse quadro sombrio, a liturgia deste Domingo torna-se fonte de vida e esperança para todos nós na luta pela sobrevivência a fim de que todos possam ter a vida.

Fundamentados na Palavra de Deus, aprendemos que nossos esforços, desde que fundamentados em atitudes honestas, não são inúteis, pois se permanecermos fiéis e firmes à Palavra, transformaremos a violenta realidade na qual vivemos em realidade de paz, na qual, a partir de nossa disponibilização como instrumentos dessa Palavra transformadora faremos, à medida de nossas capacidades, nascer e brilhar o sol da justiça para todos os filhos e filhas de Deus.

Prof. Diácono Miguel A. Teodoro

Nenhum comentário:

Postar um comentário