"Arrependam-se e creiam no Evangelho!"-22/01/2012

Após a prisão de João, Jesus decide levar o seu anúncio da conversão ao Reino de Deus à Galiléia. Jesus inova no sentido de que, em vez de aguardar a afluência de pessoas na região desértica à margem do Jordão, decide dirigir-se, com discípulos, às regiões povoadas do norte.

Os evangelhos sinóticos (Mateus, Marcos, Lucas) são completados com o evangelho de João (cf. 4 jan., 15 jan.) na caracterização dos primeiros discípulos reunidos em torno de Jesus. Nos sinóticos, as narrativas do chamado de Jesus ao discipulado se caracterizam pelo esquema: Jesus passa e chama; o discípulo deixa tudo e o segue. Esta é uma forma literária de apresentar, em breve sumário, todo um processo vital de relações de conhecimento e amizade entre Jesus e o discípulo e a adesão final.

No evangelho de João é destacado que Jesus chama seus primeiros discípulos em um convívio com os discípulos de João Batista. O que caracteriza o discipulado é a conversão. Assim como Jesus, após receber o batismo de João, abandonou seu costumeiro modo de vida familiar em Nazaré, também os discípulos abandonam suas atividades profissionais e o convívio costumeiro com seus familiares e companheiros de trabalho, e põem-se a seguir Jesus.

A Boa-Nova do Reino que está próximo, perto de nós, é a revelação de uma nova realidade. A conversão é o processo de mudança e a construção desta nova realidade. O mundo nos oferece uma realidade ainda não totalmente humanizada. Ocorrem até absurdos de violência e desumanidade maciças causadas pela ambição do dinheiro e do poder e pela guerra.

Nínive, conforme a primeira leitura, era um símbolo dessa desumanidade. Contudo, este não passa de um mundo frágil (segunda leitura). A conversão se faz a partir do olhar para Jesus e deixar-se contagiar pelo seu amor misericordioso e por suas palavras.

Assim, vamos nos libertando das ideologias de sucesso, riqueza e poder, para incorporarmos valores de comunhão com o próximo, na mansidão e no carinho, construindo um mundo novo possível, na justiça e na fraternidade.

Oração: Pai, todo poderoso, dirigi a minha segundo a vossa vontade e o vosso amor e tornai-me instrumento vosso para que eu pratique sempre as vossas obras. Amém.

Prof. Diácono Miguel A. Teodoro
http://www.teologiafeevida.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário