Ele faz bem todas as coisas - 09/09/2012 - Mc 7,31-37

 Conhecer mais sobre Nossa Senhora do Monte Serrat, clique aqui

É bastante comum em diversas regiões do Brasil o uso de provérbios e ditados populares como lições em diversas circunstâncias da vida. Um deles diz mais ou menos assim: “Só se conhece bem uma pessoa depois de comer em sua companhia um saco de sal.” Tal axioma é amplamente usado para agregar valor às amizades, ao namoro e ao casamento, às relações comerciais e assim por diante.
Ora, em relação a pessoa de Jesus e aos seus ensinamentos, as comunidades que o conheceram e com ele conviveram, foram experimentando sensação desta natureza. Ou seja, caminharam com Jesus, sentiram as provocações e desafios que lhe eram propostos, compreenderam os bons momentos das suas andanças. Alegraram-se com os milagres e curas.
Em outras palavras tinham a certeza que Deus estava com Ele, no final de tudo podiam afirmar com segurança: “Ele faz bem todas as coisas!”.
No evangelho proclamado na liturgia deste domingo o encontro e reconhecimento de Jesus acontecem mais uma vez em situação extraordinária. No campo, entre os necessitados, um deles surdo e que falava com dificuldade.
Acolhendo e fazendo melhorar a condição do homem que lhe fora apresentado todos podem ver que por, meio de Jesus,  é Deus mesmo quem age entre eles.
Situação semelhante havia vivido a comunidade de Isaias cujo relato está na primeira leitura. Depois de ter experimentado um momento de destruição e sofrimento a mensagem lida hoje apresenta um quadro de esperança, de alegria e de felicidade. Deus vem para salvar, vem para devolver a saúde e fazer brotar água no deserto.
Deus, em quem todos são convidados a confiar, como se reza no salmo da liturgia de hoje é reconhecido pelo apóstolo Tiago na pessoa de Jesus, a partir de quem ele pede que não se faça distinção entre as pessoas.
Ontem como hoje os seguidores de Jesus são desafiados e reconhecê-lo no meio de provações e dificuldades e à medida que o reconhecem não se deixar abater pelo sofrimento e por nenhuma forma de menosprezo das pessoas e da condição das pessoas.
No Brasil, de modo particular, se está vivendo o período eleitoral. Na mensagem para o dia sete de setembro a presidente da república anunciou alegrias, esperanças, acenando para redução de impostos, diminuição de custos de energia, aumento do crescimento econômico, valorização das pessoas e inclusão social.
Sem sombra de dúvida todas essas coisas, à medida que se concretizarem, podem ser entendidas como sinais de que a mão de Deus abençoou. Entretanto há que se compreender que tais fatos dependem em muito da vontade e da ação de cada cidadão brasileiro.  Sobretudo no exercício do voto consciente e responsável, isso significa dizer longe de comprometimento com compra ou venda de favores em troca de votos, longe de comprometer-se com candidatos cuja prática política não tenha ficha limpa.
Como o surdo do Evangelho os cristãos são tocados por Jesus, e consequentemente desafiados e ouvir e falar bem e viver do Jeito dele, ou seja, “fazendo bem todas as coisas”.
 Pe. Élcio Alberton
http://padreelcio.blogspot.com.br/
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário