Palestra - Campanha da Fraternidade/2019 - 17/03/2019

O que são, quais são as principais políticas públicas?
O cidadão pode participar de sua criação, implementação e fiscalização?
Esses e outros esclarecimentos.
Convide seus amigos, mesmo não católicos.



Campanha da Fraternidade/2019 - Entrevista com Frei Vitório Mazzuco, OFM - 10/03/2019

Frei Gustavo Medella, do site FRANCISCANOS, fez entrevista com Frei Vitório Mazzuco, sobre o assunto abordado pela Campanha da Fraternidade deste ano.
O entrevistado, pede a todos os cristão, "Mais indignação profética".

Clique na imagem para acessar o conteúdo.


"A boca fala do que está cheio o coração" - 03/03/2019 - Lc 6,39-45

Do que brota do fundo do coração
Frei Almir Guimarães

Não existe árvore boa que dê frutos ruins, nem árvores ruim que dê frutos bons. Toda árvore é reconhecida pelos seus frutos (Lc 6, 44)


  • Buscar a verdade é meta de nossa existência. Não apenas uma verdade intelectual e cerebral, mas verdade existencial. Ela estaria no mais íntimo de nós mesmos. As aparências enganam. Ritos e rezas, práticas e prescrições religiosas e morais têm seu valor quando partem do mistério interior da vida da pessoa. As aparências podem enganar e enganam de fato. Os bons frutos são produzidos por árvores boas, pessoas transparentes, verazes. Tudo a partir do coração.

  • A primeira leitura da liturgia deste domingo tem um tom sapiencial. Nas poucas linhas hoje proclamadas o autor sagrado afirma que é pelo falar que se conhece o homem. O forno prova os vasos do oleiro. O homem é provado por sua conversa, por sua fala. O fruto revela como foi cultivada a árvore. Desta maneira, a palavra mostra o coração do homem. Isso pode acontecer e acontece. Nem sempre, é verdade, a fala mostra a verdade do interior. O homem pode usar um jeito tal de falar que esconda quem de fato ele é. Em princípio pode-se dizer que pela conduta, pelos gestos, pelo exemplo alguém pode revelar quem ele é de fato. Há alguma coisa da luz interior do homem que vem à tona. Há uma recomendação do Sábio: “Não elogies a ninguém, antes de ouvi-lo falar, pois é no falar que o homem se revela”. O homem, no entanto, não se exprime somente pela fala da voz. Fala com todo o seu corpo, seu olhar, a perseverança de seus propósitos. Nada de elogios desmedidos antes da hora.

  • O trecho do evangelho de Lucas nos remete para nossa verdade mais íntima, para o coração, para nosso ser mais profundo que chamamos precisamente de coração. “O homem bom tira coisas boas do bom tesouro de seu coração. Mas o homem mau tira coisas más de seu mau tesouro, pois sua boca fala do que o coração está cheio”. É de dentro, do interior de nossas entranhas que partem o bem e o mal. O importante será cultivar as dimensões interiores de nossa vida. Ter a sabedoria de um coração reto e generoso.

  • Sair da superficialidade, não basear a vida em coisas acidentais e em resultados aparentemente brilhantes. Seremos pessoas profundas na medida em que procuramos o “lugar do coração”. Um pequeno e antigo fascículo da Ordem do Frades Menores (2003) falava do caminho que leva ao lugar do coração. Seus autores se dirigiam aos frades menores exortando-os a viver a partir do interior. Estas linhas, no entanto, podem ajudar a quem quer que seja a penetrar nos espaços do interior: “Esse caminho progressivo é possível à medida em que voltamos ao “lugar do coração” tomando contato com as raízes de nossa vida e de nossa fé. Nesse ponto é possível aprofundar o dinamismo que existe entre interioridade e silêncio e missão evangelizadora, como parte essencial do carisma. A interioridade, finalmente, espaço habitado é o clima, o ambiente, o húmus do encontro com Deus e com as criaturas humanas”.

  • O ser humano se constrói de dentro. É a consciência ou o coração que devem orientar e dirigir a vida da pessoa. O coração é esse lugar secreto e íntimo de nós mesmos onde não podemos nos enganar a nós mesmos. É a partir desse interior que se decide o melhor e o pior da existência.

  • Reflexão, interioridade, silêncio. Voltar à nossa verdade. “A sociedade oferece hoje um clima pouco propício para quem quer buscar silêncio e paz para encontrar-se consigo mesmo, com os outros e com Deus. É difícil libertar-se do ruído e do assédio constante de todo tipo de apelos e mensagens. Por outro lado as preocupações, problemas e pressas de cada dia nos levam de um lugar para o outro, quase sem permitir que sejamos donos de nos mesmos’ (Pagola, Lucas, p. 118).

  • Como refazer nosso interior? Silêncio, silêncio de ruídos, silêncio de nós mesmos para que tenhamos riquezas no baú da vida. Momentos de santa ociosidade. Leituras que nos façam mergulhar no mistério da vida. Terapia das coisas feitas com mais lentidão. Busca de um limpidez interior. Revisões constantes da vida. Auscultação sempre mais apurada daquilo que o Senhor nos pede neste momento de nossa vida pessoal e do mundo.

  • A página evangélica aponta posturas sábias que podem nascer da verdade do coração:
    • Não se pode condenar o irmão sem mais nem menos. Por que querer tirar o cisco do olho do irmão, quando temos a trave diante dos olhos. Que postura falsa de querer condenar o irmão por um cisquinho quando somos inteiramente cegos, frutos da superficialidade e da incapacidade de olhar para além das aparências.
    •  O Cuidado com a postura de superioridade frente aos outros. Um discípulo não é maior do que o Mestre. Quando o coração da pessoa é habitado o discípulo se reveste de sábia humildade. Nada de superioridade. Nosso Mestre foi aquele que lavava os pés dos seus.
    • Como querer exercer influência sobre os outros, quando não enxerga com clareza. Um cego não pode guiar outro cego. Os dois vão cair no buraco.

  • É pelos frutos que se reconhece a árvore boa. Uma comunidade, um grupo e religiosos, os membros da Igreja atentos à voz do Senhor, feito de pessoas que se estimam para além de simpatias e antipatias, gente que faz vibrar seu coração com o coração dos mais infelizes, pessoas que não exageram a importância de um cisco no rosto do irmãos, gente que tira do tesouro da memória da fé preciosidades. A boca, os gestos do rosto, a transparência do olhar falam da beleza do coração.

💖💖💖
Oração
A sabedoria da paz
Dá, Senhor, à nossa vida a sabedoria da paz.
Que o nosso coração não naufrague na lógica
de tanta violência disseminada ao nosso redor.
Que sentimentos de dor e de despeito
não sufoquem a necessidade de gestos de reconciliação,
a urgência de uma palavra amável
que rompa as paredes do silêncio,
o reencontro dos olhares que se desviam.
Dá-nos a força de insinuar no inverno gelado em que,
por vezes vivemos, o ramo verde, a inesperada flor,
a claridade que é esta irreprimível e pascal vontade de recomeçar.
José Tolentino Mendonça, Um Deus que dança, Paulinas, p. 95.